Constatar.

Standard

Retiro a rolha.

Suavemente encho a taça

Ainda escuto a musica

Reverberando em cada arcabouço

De meu pensamento.

Gentilmente uma saudosa sensação

De passado me abraça

Danço com ela

Esperando que o mais rápido

Vá embora.

Todos os lugares têm seu cheiro

E cada esquina reflete seu rosto

Vazio ou cheio;

Fatidicamente continua a passear

Em meus sonhos.

Construo uma máscara

Como outras tantas,

Vazia…

E mesmo assim, ela não me cabe

Não me sacia.

Enquanto a dor pujante

No espírito lateja

Independe o espaço tempo

Entre o aeroporto

E este possível vislumbre de olhar

Ao peito a mão aperta

Como se pudesse resguardar

O coração ainda ferido

Frágil ponto desta armadura de guerra…

E mesmo com cuidado

De um passo em falso lançar

Não seguro as lágrima

Que de minha alma vertem sem parar.

Não nego uma fração

Entre estes anos de solidão

Mesmo virando a ampulheta

E desenhando outros painéis

Só uma verdade não sofreu alteração

Entre os senões e bordéis

Passe eras

Passe o tempo

Tufões e vendavais

Ainda amo como outrora

Seu ser com todos os ais.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s