Daily Archives: July 2, 2010

Beligerante Inverno.

Standard

 

Beligerante um olhar

Rasga o fim do poente

Neste horizonte de inverno.

Lágrimas secas

Densas notas

De alguma sinfonia

Inacabada entre as eras.

Mordaz o aperto

Que sufoca

O ser por inteiro;

Estrangulando a vontade

De ser e de poder deixar de ser.

Ainda fibrila

A fúria carcomida

De tantos tropeções

E inúmeras portas trancadas.

Os pulmões vazios buscam

As janelas, que continuam trancadas

E sem chaves.

Inquieta a mente roda.

Gira o turbilhão de devaneios

Onde vestidos pelos

Sentimentos ensopados

De emoções mundanas

Tudo refrata a intensa

Loucura do partir.

Partir para fora

Deixar-se dentro

Não ir embora

Ardil alento.

Queimar tudo.

Grunhir ao mundo

Voltar a si

Deitar-se em mim

Morrer em fim.

Advertisements